Calendário Larvas para a semana

Errata: O recital Intervenções na Eternidade Desritmica foi cancelado na ocupação cultural da UFSJ.

Se liga aí galera que o grupo Larvas Poesia vai fazer 2 apresentações esse final de semana em São João.

Relançando o refeito recital Intervenções na Eternidade Desrítmica, apresentaremos abrindo o show pros parceiros do Martelo de Pano!

Esperamos todos no evento.






Coluna Social - Lucas F.L

                              I
           "O peixe morre pela boca"
                 Silvia Alucinógena
                  morre na bocada


                                                                              II
                                                                   Conversas fiadas
                                                                         descasos
                                                                    travestis na ponte


                                        III
                               Sofia macabra
                         a rasgadora de galinha
                               ...entidades...


                                                                            VI
                                                                  Comer toucinho
                                                                    mijar pelo cu
                                                                Poesia de burguês

               V
             Jazz
        é a tua mãe
         de quatro


                                                   VI
                                        O carro estacionado.
                                            No retrovisor
                                            o pardal surta                                          VII
                                                                                                  Feridas na pele
                                                                                                  insulina na coxa
                                                                                                   Te ligo depois

                         VII
           Na faixa de pedrestes
               duas estudantes
            mascam bubballoo's

                                                                              IX
                                                                  Em Delfim Moreira
                                                                     o sino badala
                                                                       hipocondria

                        X
     Neo-Entregadores de gás
                 explodem
        a Rua Francisco Sales


Foto da semana:





                        XI
               A velha escura
           amanhece na janela
     Sonhou com pés de mamonas



                                  








*pic: Quinten Metsys


                                            XII
                            Senhoras Rezando o terço

                                   "Porta aberta"

                           Perseguido por vira-latas
                              um porco aos berros          
                            invade a sala do casarão




                                                                           
XIV
Para-choque do ônibus,
Rotatória,
Carros em chamas...











Iluminação - Laerte


Ensaios Horizontais - Vinicius Tobias

        Amor

         o intimo indica que não há nada mais bonito que a paisagem iluminada da cidade
         e que nada pode me deter nesse mundão de deus em que reproduzimos o universo
                                                                                        [com tanta perspicácia
         passando pelos altos e avistando o baixo, o alto, o céu estrelado sem luar
         o chão estrelado sem estrelas
         para o emprestimo eu disse, "reunião"
         massa e esses pontinhos de luz me fazem indestrutívekis e assiméctricos

         volta ao cárcere psicológico da parede
         o imperativo máximo limitador do horizonte...
         para chegar em casa passo sempre por uma rua
         e há o prólogo...
         4 quebra molas duros de morrer

         eu os apelidei:

                    ..........pode...........tirar......................ocavalinho....................dachuva.........







      Ele e ela
  
              é mais fácil olhar pra cidade 
              do que olhar pro rio
              embora ela - a cidade
              como ele - o rio
              estejam envoltos por matas
              gerando a imagem metafórica de cílios
              mas por ser pontos luminosos e ter cílios
              confundem-na com olhos
              e acha-se que há mais dela que dele
              
              no entanto ela é abastecida
              não só fisicamente (...)
              por ele

2 Sonetos de diOli











Tudo bem se 1 destas crianças for uma criança medonha - Yi Sáng

2 Poemas da Série "Olho de Corvo" de YI SÁNg, ícone da literatura Coreana



                                        Poema N.1



     13criançascorrempelaestrada.
     (Quantoàruaéapropriadaumasemsaída.)
  
     A  1 ª   criançadizqueestácommedo.
     A 2ª criançatbdizqueestácommedo.
     A 3ª criançatbdizqueestácommedo.
     A 4ª criançatbdizqueestácommedo.
     A 5ª criançatbdizqueestácommedo.
     A 6ª criançatbdizqueestácommedo.
     A 7ª criançatbdizqueestácommedo.
     A 8ª criançatbdizqueestácommedo.
     A 9ª criançatbdizqueestácommedo.
     A10ªcriançatbdizqueestácommedo.

     A11ªcriançatbdizqueestácommedo.
     A12ªcriançatbdizqueestácommedo.
     A13ªcriançatbdizqueestácommedo.
     As13criançassãoumasomasódecriançasmedonhasecriançascommedo.
     (Eraatépreferívelquenãohouvesseoutrosfatores.)

     Tudobemse1destascriançasforumacrianaçamedonha.
     Tudobemse2destascriançasforemcriançasmedonhas.
     Tudobemse2destascriançasforemcriançascommedo.
     Tudobemse1destascriançasforumacriançacommedo,

     (Mesmoumaruaabertaseriatambémapropiada.)
     Tudobemtambémseas13criançasnãocorrerempelaestrada.




                                     Poema N.3



     A que le qu e bri ga é  en fim a que le que  bri ga va e a que le
     que  bri  ga co s tu ma va tam  bém  ser um  que não  bri ga e
     por is so se a que le que bri ga  qui ser as sis tir a u ma bri ga
     bas ta fa z er o se guin te  :  ou o qu e não bri  ga va as sis te a
     u ma  bri ga ou  o que não bri ga  as  sis  te a u ma bri ga ou a
     in da o  que  não  bri  ga va ou o que não briga as sis te a u ma
     não bri ga.
    
    
    

*estatua da ilha de Jeju, coréia do sul

** Acusado de "delírios de um demente", a sua poesia - O Olho-de-Corvo, publicado em 1934 - foi tão repudiada quanto aplaudida num meio literário em que o engajamento era um imperativo, quando não ideológico, cultural, para um povo que vivia a espoliação da pátria pela ocupação japonesa (1910-1945). Qualificações como "aberração", "demência", disputavam com "genialidade", "excepcionalidade', e os seus admiradores eram tidos como "insolentes pretensiosos" que fingiam entender aquilo que era incompreensível. A comunidade crítica, estatelada, não podia ignorá-lo diante de uma parcial acolhida calorosa, e nem por isso estava pronta para recepcionar com apreço uma obra tão anômala . Somente com a publicação de contos, dois anos mais tarde, em 1936, é que Yi Sáng se faria entender um pouco melhor, obtendo uma certa simpatia mesmo de seus críticos. Mas sobrava-lhe muito pouco tempo. em apenas um ano estaria morto.  (Yun Jung Im) 

GERAIS AMARGAS - Vinícius Macedo


Polícias fortes

Educações em baixa

Bombas e Borrachas 
na Liberdade

Voltamos ao tempo do 
CALABOCA! 


PROPAGANDA


Seria a pele parede?

Então exponho sem medo minha fratura

Guardo no bolso da calça um poema

Móveis palavras sem modos
Trabalho fora da estante

Minha empresa?
apenas papel

Instrumentos?
voz
caneta
som
movimento
 

 



*Libertas que eu não sou barroco.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...