As obviedades de Paco Bernardo

Burro, mas que esperanceia


O mais difícil é conseguir viver.
Depois que se consegue viver,
o tempo traz
em algum tempo
tudo que sempre quiseste,
leve e respirando.
Estranhamente limpo.


*
       *
             *

Artificial e Forçado


Que coisa óbvia.
Mas que coisa óbvia.
As pessoas só falam coisas óbvias nesse mundo?
Ai, me poupe, minhas vozes são tantas
que me canso, bem. Agora
vou tomar mel. Tomei tanto.
Sim, tomei tanto.
A dor te controla os nervos
te crispa os nervos
deixando-os mais crispados
(crispando tudo)
que um divino metafórico
sem grandes coisas para fazer
que assusta o mundo
aqui debaixo
(caí de cima).
Caí em cima de eu que há pouco caí de cima.

Querendo o pó,
concedo-to.





O fluxo gaudinesco de Lucas Alvim

lagarto - Gaudí

Uma chuva de penas
coçam orlas de cimento.
Seu frio brilha confortável.
Iluminação nublada
que imunda

sentada gárgula
com olhos de baga.



O abismo não a assusta
grinalda decaída e branca.

A química está envelhecida.

Os ventos não a removem
as cúpulas estão abençoadas
verduras que nada significam.
E não fazendo sentido
ela o cose
enquanto desconversa.

A olho sobre a madeira
de minhas orelhas.
Imaginado o humor das formas
trespassado de sua presença.
De como eram jovens.
De como as noites se desnumeravam.

E ela não se vá.
Entorpecida de sobriedade,
não há nada para o que sentir hoje.
A parafina de minha razão
não se derrete 
se reconstitui bordado
por uma manhã fria.
Uma manhã que não é minha.

lagarto - Gaudí
Químicas musculares
molham relâmpagos
nos sérreos ombros

em que repousam
queixos sentinelas.



Aqui olho gatilho,
quilômetros linguístico

sexo que percorri

na sola estrada
de terra acordada.

Procuro serrado
meus ossos expostos.
Na claridade de não saber,
não sou capaz
de me lembrar da necessidade 
da queda de sombras.

Estou solto do bolso
em animais verdes
nas manchas de nuvens solares.
Ficarei sentado
entre cemiteriais
árvores férreas
e sua pedras vivas
em ornamentos.

Como lagarto humano,
enterro deserto
o dia que se decanta
e primavero
a noite
que se redemoinha
broto branco.

Inseto, guarda-chuvo
minhas pernas cruzadas
na dança relógia
de quinas sem ângulos
e esferas friáveis.

lagarto - Gaudí
Galhos olhos perfuram o doce ventre ar.
Poupo sua essência em ombros ramos.
Pousam em mim pássaras luzes.
Lacrimejantes estrelas da cidade.
Afundo até as costas

Recife de quadrados lógicos.
Longe dos rebanhos do sol.

Não conheço o cansaço.
me foi vendido somente o soterramento
de nossos lazeres.
Entre pinturas de nossos tijolos
a centésima luxuria de meu coração negro
morre em sais expostos ao sol.
De minha felicidade
só tenho sua inorgânica arcaria dentária.
E por um minuto
destruiria todos para brincar com seus cadáveres.
Crente de que nada me faltará.


A Bem Soar




o haikai convida por si:


comparações como pastos
convido esses versos
a se ruminarem calados 

Mugido 

ATenda - Clélio Souza


"Rumino fino. Lã de gravidez das aves. Corpo maciço das metáforas. Linha na
 Retina do Poema de Segunda. Prosa dos Monstros Alados com Sísifo.
Mediações de Vinícius: entre Tombos e Tobias. Na carcaça Teodoro: o comício* 
de outro tudo e por fim, Ir go."

(A primeira impressão é a que finca.)

Maços de poesia por todos os lados,
quem foi que tirou a vergonha sintática
desses bichos palavreais alados?

Bambus estendidos ao tronco da noite apanham pessoas,
são palavras que alcançam o buraco do raso.
Um modo de brincar no fundo do poço.

O preço é de pirata que afunda o mar dentro de um barco.
por 3 você leva, por 2 você trás. 10 ou 5 tô tais.
____________________________ Há zines pra todos os Pratos.



(I Virada Cultural de Lavras)
Dias 27 e 28 de Junho de 2015.
Mais Informações:
https://www.facebook.com/viradaculturallavras?ref=ts&fref=ts

Cris Penoni - Monstros Alados

Inquisição
Velheira literária
Alfarrábios
Um ordálio
.
Confesso ter o gosto esnobe
Dos estudantes de literatura
É uma das minhas falhas de caráter
----------------------------------------------------
Pirataria
Faço poesia pirata
Aproprio-me de poemas alheios
Procuro um porto recluso
E ali enterro
Versos, estrofes, rimas, aliterações
.
Pirateio minhas ideias
Ponho-las sob pedra
Misturo com os tesouros saqueados
E proponho inúmeras transformações
A poesia que brota da poesia
Tal é meu lucro bucaneiro
.
Um porém:
Poesia corsária, jamais
Salvador Dalí



diOli



minha boca tesa tua pela nua
falo seu voz minha perna sua
língua minha anca sua coito nosso

eu te esfrego e você se entrega
derreto, viro ar e você me ofega



*

    *
  
         *


se você chega de mansinho
e me pede um carinho
- com o cio não negocio -
de pronta entrega me aquiesço

é foda, o que você merece
meu bem
é foda, o que eu mereço






*retirados do livro "Poesia com P__ de Puta" de David diOli
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...